Classificação dos Rios

Os elementos básicos utilizados para a classificação dos rios são:  a formação geográfica de suas regiões (serra, planalto, montanha e etc.) e o seu volume de água.  Estes elementos combinados com a formação geológica das rochas, a declividade, o traçado do seu percurso, a dificuldade e o perigo da pasagem pelas corredeiras, dão uma caracterização geral do rio com classificação em até seis níveis de dificuldade.

VOLUME DE ÁGUA X TÉCNICA

Os rios são também classificados pelo seu volume de água e pela dificuldade técnica utilizada em sua descida. Os de maior volume são considerados os melhores para o rafting, pois provocam grande adrenalina e possibilitam uma emocionante passagem pelas corredeiras, não havendo a necessidade de muita técnica para sua descida. Os rios de menor volume são considerados técnicos por apresentarem muitas pedras expostas, limitando o espaço de passagem pelas corredeiras e aumentando o grau de dificuldade das manobras utilizadas durante a descida.

NÍVEIS DE RIOS E CORREDEIRAS
Os rios são classificados em seis níveis, de acordo com a dificuldade e perigo de passagem em suas corredeiras:

  • Classe I e II – são indicadas para participantes iniciantes
  • Classe III - para iniciantes / intermediários
  • Classe IV – indicadas somente para pessoas experientes
  • Classe V – não é indicado para o rafting turístico, só para competições
  • Classe VI – que não é indicada para descida, devido ao seu alto nível de risco.

Observação:  Vale lembrar que o nível de água no dia da atividade, pode aumentar ou diminuir o nível da dificuldade da descida. A indicação (+) ou (-), pode ser utilizada para dar maior precisão na classificação. Exemplo:  classe IV(+), indica que o nível de dificuldade da corredeira está entre as classes IV e V, alertando que poderá chegar a uma classe maior